Análise do estado da arte

O projecto começou por mapear o conhecimento e as práticas existentes na área da coordenação e resposta a emergências plurilocalizadas, com múltiplos riscos e múltiplas vítimas, na UE. Este estudo do “estado da arte” foi realizado em colaboração com o Instituto LATTS da Universidade de Milão. O relatório estabelece as definições dos conceitos relacionados com aquele tipo de emergências e analisa os modelos de gestão de crises e emergências de vários Estados Membros. Para complementar este estudo, foi realizado um inquérito online a vários agentes de protecção civil da UE, com particular enfoque nas respectivas Autoridades Nacionais de Protecção Civil dos Estados-Membros. Para além dos supraditos modelos de gestão de crises, o inquérito indagou também sobre os papéis desempenhados pelas organizações de voluntariado nos respectivos sistemas de resposta a emergências, bem como a percepção que os restantes agentes de protecção civil têm destes operacionais não profissionais.

Consulte o "Estado da Arte" e o Relatório de Pesquisa

 

Desenvolvimento de instrumentos partilhados

A segunda fase do projecto consistiu na construção de protolocos de planeamento e de resposta a tais emergências, com base em directrizes gerais emanadas dos estudos realizados na primeira fase do projecto. Com base no relatório do “estado da arte” e numa análise comparativa dos protocolos existentes, os parceiros do projecto identificaram pontos em comum, especificidades e lacunas nesta área. Eles desenvolveram um conjunto de ferramentas e procedimentos metodológicos, dedicados principalmente a organizações com base no voluntariado com competências em protecção civil. Finalmente, foi criada uma estrutura comum de protocolos operacionais comuns a todos os parceiros, para ser integrada aos planos de contingência locais de cada organização.

 

Implementação dos instrumentos

Com o apoio de todos os parceiros, foi elaborado um programa de formação comum. O objectivo foi criar uma ferramenta replicável que os parceiros pudessem adaptar às suas especificidades organizacionais e contextos nacionais. Para possibilitar a implementação destes novos instrumentos formativos, foi organizada uma acção de formação de formadores, que reuniu participantes de todos os países parceiros.

Os formadores treinados nesta acção replicaram a actividade nos respectivos países de origem, abrangendo cerca de 40 elementos de cada Sociedade Nacional parceira.

Por fim, para testar as ferramentas elaboradas durante o projecto MERCI, foi desenhado um guião de exercícios \ simulações plurilocalizadas, com múltiplos riscos e vítimas, de pequena escala, um por cada país participante. Inicialmente desenvolvido em inglês, este guia foi traduzido para o francês, italiano, espanhol, búlgaro e português.