Nas últimas décadas, registou-se um aumento da ocorrência de vários tipos de catástrofes – naturais, tecnológicas ou outras de causa provocada pelo ser humano – particularmente complexas, com múltiplas vítimas, múltiplos riscos e plurilocalizadas, i.e. múltiplas ocorrências em diferentes locais (na mesma unidade territorial) cronologicamente concomitantes. Este facto levou os agentes de protecção civil a repensarem suas estratégias de coordenação de respostas e de prevenção a estes novos riscos. Como auxiliares das autoridades públicas e socorristas em emergências, as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha experimentaram directamente a complexidade adicional que esses tipos de incidentes representam, bem como a necessidade de modificar as medidas de preparação e melhorar a compreensão dos riscos associados.

Liderado pela Cruz Vermelha Francesa, o projecto “Multi-site Event Intervention and Coordinated Response” [MERCI] teve início em Janeiro de 2017, decorre durante dois anos e abrange cinco países europeus, a saber, França, Itália, Espanha, Bulgária e Portugal. A iniciativa nasce de uma vontade comum de reforçar a resiliência de comunidades urbanas ou semiurbanas em situações de catástrofes complexas plurilocalizadas, com múltiplas vítimas e riscos, através do reforço das capacidades dos agentes privados de protecção civil e da coordenação com as respectivas autoridades públicas.

Em particular, o MERCI visa:

  • Desenvolver ferramentas de planeamento de respostas transnacionais replicáveis, levando em conta experiências anteriores e protocolos operacionais existentes;
  • Reforçar as capacidades e a eficácia dos agentes de protecção civil na gestão de catástrofes plurilocalizadas com múltiplos riscos e vítimas.

O projecto reúne seis parceiros do Movimento Internacional da Cruz Vermelha do espaço da União Europeia, o que lhe permite ter uma representatividade importante da realidade europeia das necessidades dos agentes auxiliares de protecção civil e dos respectivos instrumentos e estruturas nacionais.

No decorrer do projecto, operacionais e coordenadores de emergência dos parceiros têm vindo a trocar experiências e boas prácticas sobre: 1) novos tipos de riscos; 2) novos desafios operacionais colocados por tais riscos; e sobre os protocolos operacionais e quadros legislativos existentes nos diferentes países.

Após formação especializada, foram realizados cinco simulacros, um em cada país parceiro, para testar e aperfeiçoar as ferramentas desenvolvidas no âmbito do projecto.

O MERCI é implementado com o apoio do Instrumento Financeiro da Protecção Civil da União Europeia, que visa reforçar a cooperação em matéria de prevenção e preparação no âmbito da protecção civil da poluição marinha. O programa cobre qualquer tipo de desastre, incluindo inundações, terremotos, incêndios e pandemias, ou emergências químicas, biológicas, radiológicas e nucleares. Saiba mais aqui